quarta-feira

Entrega



É de espinhos a máscara que te dei
não acredito
não sei
Amei-te, como amo ainda
pequena sereia perdida
amor de vida após vida
tão doce, tão mulher, tão minha

Tentei dar-te sorrisos

fazer nascer o luar

na teia dos teus cabelos

olho para ti

vejo dor

mas quero cobrir-te de amor

construir sonhos ternos e belos

Quero um sorriso franco

quero ver-te de branco

caminhando por entre flores

quero-te bela como és

quero colocar o mundo a teus pés

como oferta de casamento

não este feito por homens

mas aquele escrito no céu

todo feito de sentimento

Se sem querer te dei espinhos

se te magoei por insensatez

foi sem querer magoar

porque cada dor que tu sentes

dói em mim duplamente

neste desespero de amar

Então deixa que o dia nasça

e traga com ele a graça

de um amor sempre renovado

que nasce em nós por magia

que é a luz e alegria

de qualquer apaixonado



imagem