domingo

Anjo da noite



O Sol morreu lá fora
a noite cai
o último raio beija o meu rosto
numa despedida cálida
triste
que me fala de um final
que é final de palavras
de gestos
de momentos irrepetíveis
e vem a noite
devagarinho
calçando os sapatos negros
de cetim
com seu manto de estrelas
cruzado nos ombros
eu sorrio
porque sei que esta noite
tu virás
e tocarás o meu rosto
com as tuas asas
asas que te imagino
e te concedo nos meus sonhos
Sei que a tua boca
roçará a minha
e as tuas mãos ternas
passarão de leve no meu cabelo
Sei que virás
anjo que inventei
numa longa noite
da qual não quero acordar
porque quando o dia nasce
o sol leva com ele
a luz do teu olhar

Sem comentários:

imagem