terça-feira

A Bailarina

Havia naquele bailado
algo de sobrenatural
a musica vinha serena
e a bailarina dançava
sorria e bailava
Ela era um poema
solta naquele palco
não dançava, voava
Era linda a bailarina
deslizava e sorria
era bela a bailarina
ela era parte da melodia
Os olhos dela brilhavam
durante o suave bailado
em que ela era estrela
fantasia
mas no brilho do seu olhar
não havia alegria
e muita tímida
uma lágrima reluzia
Ninguém via a dor da bailarina
que tão só
tão menina
naquele palco dançava
e ela chorava
chorava e dançava
ao som da musica clássica
que a envolvia
e levava
Presa naquele bailado
Ninguém viu que se despedia
ao som da melodia
que suave a envolvia
ela deslizava
chorava e sorria
muito lentamente caiu
como uma pena tombou
naquele palco só seu
A lágrima cristalizou
e a bailarina parou
a melodia cessou
o coração não mais bateu
Mas não choraram os poetas
porque a bailarina tão linda
tão suave
tão menina
Ela não morreu
envolta em melodia Divina
ela dança suavemente
eternamente
de novo num palco só seu
tem por admiradores os anjos
Os santos
e às vezes Deus
e a bailarina desliza
no seu palco celeste
Porque hoje ela dança
eternamente
no Céu



Passa hoje mais um ano sobre a morte de uma amiga muito querida e muito doce que partiu como viveu, doce e suavemente. Morreu num ensaio de dança, mas não morreu, apenas partiu. Ela tinha perdido o homem que amava num acidente e dias antes confidenciou-me que não vivia, que suportava a vida. Fui talvez o único que não chorou quando ela partiu, porque eu sabia que ela queria ir ao encontro do seu amor. Quando caiu naquele ensaio, eu olhei-a e no olhar que trocamos vi um adeus e muita paz. Engoli as lágrimas e sorri-lhe, ela tinha conseguido, não importa a que preço. Hoje que passa mais um ano sobre a sua morte, eu rezo para que tenha encontrado e Ricardo, o amor da sua vida e que junto de Deus tenham reatado o romance. Espero Sissy que nalgum lugar tenhas encontrado a tua paz. Mais um ano sem ti. Que Deus te conceda luz, paz e o reencontro do teu amor.

segunda-feira

Não sei

Não sei porque faço ainda
de um raio de sol
a tinta com que pinto
com cor o meu horizonte
Não sei porque sorrio ainda
e faço de cada sorriso
a música que embala a minha alma
Não sei porque sonho ainda
e faço de cada sonho
o meu ponto de partida
para uma caminhada maior
Não sei porque sou menino
porque ainda trago no peito
canções do tempo da escola
saudades do meu pião
com que brincava
alheio, a toda a preocupação
Não sei porque guardo ainda
na minha memória
o cheiro da fruta madura
que eu colhia nas árvores
livre
solto
tão feliz
Ainda recordo o som da voz
da minha mãe
que me chamava apressada
na hora das refeições
Não sei porque teimo em acreditar
que a vida é um poema
quando as suas rimas não versam
e a sua musicalidade se perde
por meio dos meus dedos
Não sei porque ainda acredito
em estrofes soltas
que o vento
sempre alegra e zombateiro
traz para mim nas tardes calmas
perfumadas a açucenas
Não sei porque sinto saudade
de um tempo que fui feliz
sem a felicidade conhecer
Não sei porque trago comigo
a vontade de acreditar
que a felicidade está
ao alcance da minha mão
Sim eu sou um sonhador
que ousa transformar em poesia
pequenos pedaços de dor
não é arte
não é magia
é apenas a alquimia
de que é capaz o amor



domingo

Anjo alado


Foste o meu anjo
de asas abertas
sorriso terno
que era amparo
ser que vinha
do distante
do nada
caminhos perdidos
caminhos cruzados
com ternura me levavas
e me vigiavas
atenta
na madrugada
Foste o meu anjo
anjo de um coração
que batia descompassado
na palma da tua mão
Foste meu anjo
ser alado
sorriso terno
palavra amiga
Anjo que eu inventava
na doçura do momento
Eras estrela
que brilhava
segura no firmamento
Eras mulher
eras mistério
um ser quase etéreo
que vivia
no pulsar de um coração
Foste anjo
foste abrigo
Foste inferno
Paraíso
anjo que não quis perder
hoje és para a vida
um anjo que desceu à terra
uma alma que se doa
no mistério de um instante
És ternura
És carinho
que não me deixa sozinho
És anjo
Meu anjo, mulher

sexta-feira

Chuva

Nossos corpos unidos num abraço
a chuva corre
lavando lágrimas
de uma ternura cúmplice
sorrimos
as nossas bocas trémulas procuram-se
e encontram-se
num beijo
que tem o sabor a morangos
acabados de apanhar
Nossos corpos estreitam-se
sentimos as formas
o calor
o desejo cresce
sorrimos
Aquele sorriso que é promessa
uma promessa de amor
de partilha
de um prazer consentindo
permitido
desejado
A chuva cai
cola os nossos cabelos
no rosto
e a roupa molhada
mostra-me o contorno dos teus seios
O meu desejo cresce
abraçados
unidos
sentes o apelo do meu corpo
e ris
Esse sorriso feito de expectativa
de consentimento
de antecipação
A chuva cai sobre nós
alheados dela
envoltos em chamas
que já nos devoram
Sei os segredos do teu corpo
as trilhas que devo percorrer
conheço o som do teu desejo
os teus gemidos suaves
que se confundem com a chuva
As minhas mãos impacientes
abrem a tua roupa
expondo o teu corpo
à carícia da chuva
A tua pele arrepia
bebo nela
as gotas que deslizam
sigo com a língua
o percurso que traçam
Gotas de água correm pelos teus seios
param nos teus mamilos
como diamantes
cintilando
ao fogo do meu desejo
A minha boca cai sobre esse tesouro
que lambe
sorvendo sôfrego
gota a gota
a agua que desliza
Acaricias o meu cabelo molhado e ris
no teu riso
há o gemido incontido
a fome
Sinto-me Senhor de ti
Tiro a tua roupa
quero-te nua
frágil
pele clara açoitada pelo látego da chuva
Mostras-te para mim
plena
mulher
Arranco a minha roupa
e sinto a carícia fria da chuva
que não me acalma
excita-me
Abraço-te
e faço-te minha
assim
sem aviso
mas o teu corpo reage
entrega-se
és minha
Totalmente minha
impávida e serena a chuva cai
lavando o nosso suor
abafando os gemidos
Quando me solto em ti
rio quente de um prazer que te oferto
no mais profundo do teu ser
A chuva possui-nos
Agora é ela quem nos percorre
quem segue os trilhos
que há pouco
as nossas línguas traçaram
A chuva faz-nos seus
toma nossos corpos saciados
tremulos
e faz-nos seus
O dia cai
O jardim mostra as suas flores
molhadas
inclinadas
cansadas
Possuídas
Como nós!!!

quarta-feira

Encanto


Amor


Amor é jogo suave
chama que sempre arde
lembrança que não se apaga
amor é ter sorriso
amor é ter carinho
num momento que é eterno
amor é viver caindo
umas vezes no paraíso
outras vezes no inferno
Amor é toque suave
brisa que toca a alma
devagarinho
carícia que inunda o rosto
das lágrimas que ficaram presas
na dor que o amor causa
sufocado de paixão
amor é ter estrelas
nuvens
ondas
luar
tudo no coração
Amar é ver os teus olhos
e sentir que tenho o mundo
preso na palma da mão
amar é sentir que me guias
por caminhos só nossos
que nunca ninguém percorreu
amar é encontrar amparo
procurar o caminho
que por erro se perdeu
Amar é ter como guia
o sentimento que guardo
dentro do meu coração
amar é jurar para sempre
um amor que se sente
que não pode ser negado
amar é sorrir
lutar
não deixar de sonhar
amar é seguir em frente
viver o presente
guardando na alma o passado
Amar é querer-te comigo
sentir nas tuas palavras
toda a força do carinho
amar é fechar os olhos
e sentir que nunca mais
eu vou ficar sozinho

terça-feira

DESEJO A TODOS OS LEITORES E AMIGOS



Carnaval

Hoje é Carnaval
colamos no rosto uma máscara
e sorrimos
vivemos
fantasiamos
rimos
brincamos
Hoje é Carnaval
Não é hoje
que nos mascaramos
é hoje
que nos mostramos
Máscara?
Máscara
trazemos todos os dias
sorrimos
com vontade de chorar
falamos
com vontade de gritar
cumprimentamos
com vontade de matar
Carnaval?
Carnaval é a nossa vida
esta
que vivemos de fugida
em que fingimos
o que não sentimos
fingimos não sentir
o que sentimos
vivemos a correr
sem pensar
sem tempo de ser feliz
sem tempo de amar
Carnaval?
Carnaval é a nossa vida
desejos secretos
sonhos ocultos
destinos perdidos
nós
pobres mascarados
cansados
sofridos
Carnaval é quando rimos
com vontade de chorar
Carnaval é quando desistimos
de amar
e de sonhar
Carnaval é quando fingimos
que uma dor
é alegria
Carnaval é quando esquecemos
e sofremos
e perdemos
o rumo da nossa vida
Carnaval é quando o rosto esconde
o que o coração sente
Carnaval é o sorriso
que engana
que fere
que mente
Carnaval
este que se celebra
feito de magia
e de alegrias
é curto
vamos festejar
Porque o outro Carnaval
o triste
que em cada um de nós existe
esse vivemos todos os dias
até a vida acabar!!!

quarta-feira

NAMORADOS

É dia de namorar
dia de ternura
dia de sentir no peito
a força de um sentimento
que se não perfeito
é de certeza belo
na perfeição do amor
É dia daquele sorriso
daquele abraço
daquele beijo
Mas amor
não tem hora
não tem dia o querer
não tem dia
o desejo
Amor é cada segundo
cada pulsar do coração
cada instante
em que tu estás
que se esqueçam datas
que se esqueçam imposições
é dia dos namorados
sempre que unidos batem
dois corações
Que se esqueçam as prendas
as celebrações
os cartões
Para nós
é eterno este dia
festejado plenamente
nos nossos corações
Para amar não há datas
motivos
nem razões





sábado

HINO AO AMOR



Há muito, muito tempo
num tempo tão distante
que nem o tempo se recorda mais
nasceu uma alma.
Parte de Deus,
que se doou ao universo uma parte tão ínfima...
mas tão divina
Nasceu para viver,
Nasceu para conhecer mas nasceu sobretudo para amar.
Essa parte partiu-se em duas e nesse momento o seu destino ficou traçado.
por amor se dividiu...
por amor se reencontrará
Por séculos...ou talvez por milénios ao longo de vidas,
de encontros e desencontros as duas metades da mesma alma reconhecem-se e amam-se
Mas porque esse amor é divino e as almas já são humanas
estão condenadas a aprender a amar-se como se Deus fossem.
No caminho para o seu destino
as duas metades da mesma alma vivem todas as formas humanas do amor
Amor, ódio
Amor, paixão
Amor, sofrimento
Amor, dor
Amor, prazer
Até que aprendem a amar-se divinamente.
Nesse momento,
que Deus traçou há muito, muito tempo a alma partida em duas torna-se una.
E quando uma metade de uma alma reencontra a metade que perdera
celebra a união com paz,
alegria.
amor,
desejo e harmonia.
Nada nem ninguém separa o que Deus uniu.


(Gostava de pedir a todos os leitores que lessem este texto como um hino ao amor, com fé, como se de uma prece se tratasse. É um poema de alguém que sabe entender o amor. O meu obrigado a quem mo enviou.

quinta-feira

FUI ANJO

Fui o teu anjo
nas palavras ditas
nos sorrisos trocados
fui o teu anjo
ser, sem rosto
ténue
que como brisa
te queria
e procurava
Fui o anjo
das tuas noites insones
dos teus delírios
fui anjo na tua dor
na tua amargura
Fui o teu anjo
nas palavras trocadas
nos sentimentos
na ternura
É fácil ser anjo
num sorriso
numa palavra
num carinho
Fui teu anjo
anjo que te guiou
iluminou os teus passos
anjo que se fez homem
perdeu as asas
e curvou-se
perante a realidade
que lhe era imposta
Fui anjo de um Paraíso
desfeito
de um reino de lágrimas
que se transformou em amor
Sou ainda o teu anjo
anjo caído
perdido
de um reino de dor
mas anjo
para sempre anjo
anjo de carinho
e de amor




quarta-feira

Anjo

Vieste como um anjo de luz

não eras mulher

eras um anjo

Anjo que me sorria

que me cobria de carinho

eras um anjo sonhado

que começou a ser amado

que começou a dar amor

Foste o meu anjo

anjo esperado

ser alado

que vinha no silêncio

com que o meu coração te esperava

Vinhas de um jeito suave

e sopravas na minha alma

as palavras

que ainda carrego

dia e noite na memória

Eras anjo

eras luz

eras amor

para sempre marcado em mim

marcado a fogo

vida da minha vida

construindo nossa história

Hoje és anjo

és mulher

és amor

és sedução

não és mais um ser etéreo

sem forma

sem cor

és e serás para sempre

uma marca indelével

uma paz em mim derramada

um manto que me cobre

repleto de amor

Vens até mim

suave

terna

anjo

sonho

mulher

que me guiaste na vida

foste força

foste dor

foste lágrimas

foste amor

Hoje és ainda o meu anjo

aquele que ainda chamo

quando a dor me tortura

meu doce anjo de amor

anjo da minha vida

deste amor que é prisão

tentação

e loucura

terça-feira

Tanta Vez

Tanta vez me perguntaste
coisas
Que não fui capaz de responder
Tantas vezes o não sei
talvez
quem sabe
sim
calaram as respostas
que eu não te conseguia dar
Tanta vez adivinhei
perguntas que não fizeste
silêncios que pesaram
momentos que se perderam
Meu amor tanta vez
Quantas vezes eu não falei
brinquei
deixei que o sorriso
escondesse a lágrima
que uma brincadeira
encobrisse a dor
Mas mesmo não falando
as respostas
sempre tas dei
dentro do meu coração
Nunca choraste uma lágrima
que eu não sentisse
nunca deste um sorriso
que eu não amasse
nunca nos perdemos
no emaranhado de sentidos
que norteia a nossa vida
Sim
Tantas perguntas
deixei sem resposta
tantos momentos
parei
quieto
sob o peso das palavras
que não foram ditas
que ficaram presas
nos nossos lábios
Tanta vez
eu deixei a lágrima cair
sem responder
Só não deixei sem resposta
a pergunta que não fazes
porque a resposta
essa tu sabes
no fundo do teu coração
O que nos une é amor
não importa se há dor
se existe medo
ou incerteza
pode até ser loucura
mas o sentimento
que em nós perdura
é amor de certeza !!!


domingo

Excitação

A Tua pele descoberta
nua
escorrendo água
que desliza em teu corpo
como dedos
que docemente te percorrem
procuro
com o meu olhar
uma gota que cai
e traça na tua pele
o mapa que traço
com a minha língua
Olho sem tocar
na tortura dos sentidos
mais sublime
mais apetecida
Devagar cobres-te
com a toalha
que seca no teu corpo
as gotas de água
que me fascinam
Num ritual teu
cobres devagar o teu corpo
com a roupa que vestes
ao mesmo tempo
que me olhas
e me provocas
Deixo que a roupa te cubra
se molde ao teu corpo
e esconda dos meus olhos
o que me enlouquece
Depois abraço-te
percorro o teu corpo
com as minhas mãos
e desvendo os segredos
acabados de cobrir
A roupa cai
como rosa que desfolho
exponho o teu corpo
e sacio a fome
do desejo torturado
Sinto nas minhas mãos
a tua pele quente e macia
que aperto com os dedos
pelo prazer de ver no teu rosto
a dor de um prazer anunciado
O meu desejo solta-se
e o meu corpo possui-te
como teu dono
teu castigo
e tu deixas que te possua
entregas-te
numa fúria que conheço
que me prende
me fascina
no momento em que sou teu
teu
completamente teu
e tu
ainda não sei
se essa entrega
te faz minha






Amo-te
a cada frase tua
a cada sorriso teu
amo-te
A cada olhar que me lanças
a cada palavra que dizes
amo-te
A cada carícia tua
a cada gesto que fazes
amo-te
Amo-te nas madrugadas calmas
nas noites em que o frio une
os nossos corpos
em busca de um calor que se renova
ao toque da nossa pele
Amo-te
quando o sol brinca com o teu cabelo
e faz nascer nele
chamas feitas de luz
que arrepiam levemente o meu corpo
Amo-te
quando corres para mim
e abres os braços
cheios de amor
num carinho que transborda
na luz do teu olhar
Amo-te sem explicações
amar não se justifica
ama-se
não se explica
o mistério do amor
é amar

imagem