segunda-feira


Todos temos dentro de nós a força para vencer. Podemos pensar que não, que os nossos problemas são insoluveis, mas a força para vencer está escondida algures dentro da nossa alma, do nosso coração, da nossa essência. O medo vence-se quando decidimos enfrentá-lo, nenhum inimigo é maior do que nós quando conseguimos olhá-lo de frente. Qualquer medo pode ser ultrapassável se em vez de nos escondermos dele, o conseguirmos olhar, avaliar e arranjar estratégia e coragem para o vencer. Quanto ao apego de que nos fala este pensamento, pois esse é maos difícil de vencer. Há o apego bom, salutar, aquele que temos à família, aos amigos, às pessoas que amamos. Esse apego faz de nós mais humanos, mais tolerantes, mais consciêntes de nós mesmos e dos outros. Depois há um outro tipo de apego, o apego às coisas materiais, esse tipo de apego é comum a todos e é bom até certo ponto se não começarmos a entrar no caminho do exagero. Claro que se lutamos, trabalhamos, para ganhar dinheiro e com ele comprar o que precisamos e gostamos , é humano sentir algum apego. Eu diria até que temos muito mais apego áquilo que construimos, áquilo que lutamos para ter, do que áquilo que nos foi dado sem esforço. De qualquer forma teremos que tomar cuidado para que o apego não se transforme em avareza e que não façamos das coisas materiais o mais importante da nossa vida. Muito mais importante é aquilo que se sente do que aquilo que se tem. Quanto à aversão é um sentimento que nunca senti por muito tempo. Posso ter uma explosão repentina de ódio, de raiva, mas passa horas depois. Se a pessoa que me provocou toda essa raiva, for importante para mim, o amor ou a amizade suplantam a raiva do momento e esqueço, sem guardar mágoas. A menos que se trata de algo realmente muito grave, nesse caso a mágoa não passa, mas não sinto ódio, nem aversão. Deixo apenas que o tempo cure, ou amenize. Se a pessoa que me provocou ira ou me magoou me é indiferente esqueço tempo depois. Se não posso sentir amizade , nem carinho por alguém, para quê então alimentar ódio? O ódio é um sentimento que tanto magoa quem o recebe como quem o dá. E se realmente houver amor, o amor ultrapassa quase todas as mágoas e não dá espaço a ódios ou aversões.

imagem