sábado


Tantas vezes me sinto só, com uma vontade de louca de pedir ajuda a alguém, de pedir um pouco de aconchego, de ternura, mas o orgulho não deixa. Creio que de todos os meus defeitos, que perfazem uma vasta lista, o meu orgulho, é o mais acentuado de todos. Para começar o orgulho é um sentimento vazio, infértil, que não nos leva a lado nenhum, pelo contrário. Mas esse defeito eu reconheço que tenho, posso querer muito uma coisa, mas se tiver que a pedir as coisas complicam. Pedir ajuda não é nada de indigno ou de menos licíto. Eu acho que pedir ajuda é apenas um reconhecimento das nossas próprias carências, é aceitar que alguém nos ajude a reerguer, nos estenda a mão e nos ajude a retomar a caminhada. Quando se é demasiado orgulhoso pedir ajuda fica muito difícil. Eu reconheço as minhas limitações, as minhas necessidades, não vivo com uma venda nos olhos, mas mesmo assim reconhecendo-as, custa-me muito pedir apoio. Um da destes um amigo visitou-me e eu ainda estava deitado. Ele perguntou porquê e eu disse a verdade. Que me sentia um pouco indisposto, que já devia ter ido ao médico, mas que não tinha ninguém ali para ir comigo e eu não me sentia com forças para conduzir o carro. Ele olhou-me e chateado perguntor:- Ora essa, porque não pediste ajuda? E a essa pergunta não soube o que responder. Realmente porque não pedir ajuda? Porque será que tenho uma dificuldade tão grande de encarar as minhas carências pessoais. Esse é um orgulho idiota,infrutífero , que não leva a nada. O certo é saber pedir ajuda, reconhecê-la e aceitá-la.

imagem