sexta-feira

Como se fosses a unica

Fecho os meus olhos e encostado na minha poltrona imagino-te. A doçura dos teus olhos, a suavidade da tua pele, o tom quente do teu cabelo. A tua voz terna, o teu riso. Num momento o pensamento pula para além da realidade e ocupa o sonho, desejo-te. Desejo sentar-te aninhada sobre o meu peito, passar as mãos nos teus cabelos e sentir no meu pescoço o arfar leve da tua respiração. Olhar bem no fundo dos teus olhos, e ver o insondável da tua alma, passar as minhas mãos gentilmente no teu rosto e acariciar-te levemente a nuca, e nessa caricia, puxar a tua cabeça ate sentir os teus lábios unidos aos meus. Começar a passar levemente a minha língua sobre eles, saboreando o doce do teu beijo e esperando que teus lábios lentamente se abram, deixando que a minha lingua descubra cada canto da tua boca percorrendo-a num bailado doce e excitante. Beijar-te até saciar a sede do desejo dos teus lábios. Depois percorrer o teu pescoço com a minha boca húmida do nosso beijo, deixar que meus dentes arranhem suavemente a tua pele para te ver arrepiada e ouvir um gemido sussurrado. Beijar os teus seios, acariciando-os e chupando cada um deles, chupando com força, fazendo com que o teu seio entre na minha boca, e depois mordiscar lentamente os teus mamilos, deixando que sintas a dor leve do aperto dos meus dentes e voltar a chupá-los de novo, fazendo-te esquecer a dor. Deixar que as tuas mãos guiem a minha boca ao longo do teu ventre, beijando cada centimetro da tua pele, acariciando-te com as minhas mãos sedentas de descoberta. Deixar que a minha boca encontre o teu sexo, quente, palpitante e permitir que eu o descubra. Deixar que a minha lingua te penetre profundamente acariciando um jardim de sensações desconhecidas e só tuas. Beijar esse epicentro do desejo, deixar que os meus dedos descubram o teu calor, e voltar a explorar-te com a minha boca´avida do teu prazer. Depois beijar as tuas pernas centimetro a centimetro, até acariciar os teus pés, colocando-os em minhas mãos, admirando-os e beijando lentamente cada um deles. Voltar a beijar a tua boca entreaberta por gemidos e calá-los num longo e profundo beijo onde as nossas bocas se perdem e as nossas línguas se misturam. Acariciar os teus seios, apertanto os mamilos rosados entre a ponta dos meus dedos, para te ver gemer e arquear o corpo tentando fugir à dor. De seguida beijá-los de novo deixando que o calor da minha boca adormeça a dor sentida e de novo mordiscá-los para de novo ouvir um gemido meio de prazer. meio de dor. Finalmente quando os sentidos totalmente excitados não suportam mais a espera, colocar-te sentada sobre os meus quadris e deixar que me possuas, possuindo-te, agarrando a tua cintura para que o meu corpo se funda no teu, até ao mais profundo do ser. Ficar assim sentindo o teu corpo dançar sobre o meu a melodia dos nossos gemidos e segurar o prazer até ao limite. Depois gentilmente tirar-te de cima de mim, beijar de novo lentamente a tua boca bebendo os teus suspiros e de pé abraçar-te e beijar-te até o desejo ser para lá de intenso e com teu corpo colado no meu, num forte abraço, deitar-te suavemente na cama e comigo sobre o teu corpo, penetrar-te lentamente, puxando-te para mim, obrigando o teu corpo a receber plenamente o meu. Sussurrar juras de amor nos teus ouvidos e sentir que doi. o não me deixar satisfazer totalmente ainda, e deixando que a dor do prazer adiado se eternize, possuir-te numa dança que visa o teu prazer, até sentir que o teu corpo se arqueia num espasmo e que as tuas coxas se contraem extasiadas apertando o meu corpo dentro de ti, depois, ai sim, num longo beijo, deixar que o meu corpo se sacie, abraçando o teu num amplexo ardente, sentindo espasmos a percorrerem-me e soltando um rio de seiva quente dentro de ti. Depois somente o suave sussurro de palavras de amor e dois corpos suados que se tocam, numa preguiça feita de desejo saciado. Um beijo cumplice sela o amor que nos une e um sorriso delicado entreabre teus lábios que beijo agora só com amor, saciado de desejo. Enlaço-te num abraço e esperamos que o sono chegue, enquanto beijo as tuas palpebras e silêncio a tua boca com um ultimo e longo beijo. Depois, enfim, depois a paz.

imagem