segunda-feira

Ausência


Quando a ultima esperança morre
E dentro do peito há tanto amor
A lágrima que no meu rosto corre
É mais de desalento do que de dor

Quando as tuas frases matam a esperança
E o sorriso triste perde a sua luz
Quando o meu coração vazio,
se cansa
Eu rezo a Deus para ainda suportar
a cruz

Quando nas tuas palavras só há
amargura
E na minha alma ferida impera o
medo
Eu anseio ainda tanto por tua
ternura
Que meu coração pede em
segredo

Quando a tua ausência se faz
dolorosa
E a saudade me estrangula o
peito
Eu penso na tua voz linda e
carinhosa
dizendo palavras a que perdi o
direito

E quando pela noite, o desejo
impera
E o meu corpo acordado anseia o
teu
Eu sinto em mim, a furia de uma
fera
E o desgosto por tudo o que se
perdeu

Não procuro culpados, nem posso
julgar
Nem eu mesmo sei, como tudo
aconteceu
Olho o teu rosto numa foto, volto a
amar
No meu coração cansado, o amor não
morreu

Penso no que podia ter feito e não
fiz
Porque o meu orgulho a isso me
obrigou
Foste de todos o sonho que mais
quis
A mais bela estrela que para mim
brilhou

Agora que o desprezo nos afasta
mais
Que as feridas se abriram sem
compaixão
Sei que jamais voltarão dias
iguais
Onde conheci o sabor doce da
sedução

Nas amargas e tristes palavras
trocadas
Com que quebramos o silêncio
sufocante
Eu sinto a dor das nossas almas
magoadas
Que se tocam ainda ainda por um
instante

Quando a tua lembrança se torna
insistente
Eu olho numa numa foto, tua face
calma
E a lagrima que rola por te sentir
ausente
Não desliza no meu rosto, mas na minha
alma !!!

Sem comentários:

imagem