terça-feira

De repente


De repente olho para o espelho à procura de mim. Tentando encontrar alguma coisa que se perdeu, que não encontro mais. Vejo os meus olhos cansados, sem brilho, o meu rosto sem expressão, e um sorriso que não significa nada. Então eu pergunto a mim mesmo o porquê de me escravizar nesta rotina diária, o porquê de ficar aqui horas e horas trabalhando alheado do mundo. Claro que tenho que trabalhar. Não posso simplesmente mandar tudo para o espaço. Mas preciso de fechar os meus olhos por dez minutos pelo menos e sonhar. Sonhar que o céu que já mal olho ainda é azul, sonhar que o sol que já quase não me aquece ainda tem luminosidade, sonhar que para lá destes malditos numeros frios ainda há sorrisos genuinos nos rostos de quem passa na rua. Que para além das acções, das quebras, os pássaros ainda cantam, que para além dos ganhos e perdas a chuva ainda cai lá fora, que para além do capital mal parado, dos investimentos, o vento ainda murmura segredos às andorinhas. Preciso acreditar que para além das paredes brancas do meu escritório há vida, que para além das resmas de papeis que se amontoam na minha mesa, há musica tocando algures num velho rádio. Que para além do meu sofisticado pc, da minha carissima impressora, dos meus elaborados programas, há risos de crianças lá fora. Preciso acreditar que para lá das mil coisas que se empilham na minha secretária, os telefones sem fios, os telemoveis, toda a parafernália deste meu mundinho fechado, existe um mundo muito maior. Preciso acreditar que para além dos relatórios que leio entediado, existem mil poesias soltas por ai. Preciso acreditar que para lá das folhas em branco onde continuamente imprimo extractos, balanços, há um mundo de mil cores que se me oferece ao sair da porta. Preciso acreditar de que ainda tenho o direito de sonhar. De que a minha vida é bem maior do que isto. Preciso acreditar que para além dos problemas, dos aborrecimentos diários, ainda tenho um coração de verdade a bater no peito, e preciso acima de tudo acreditar que para além do meu mundo frio há uma mão quente que me espera e um coração que sabe amar. Ah como eu preciso de sonhar!!!

Sem comentários:

imagem