quarta-feira

as rosas


A minha flor preferida é sem duvida a rosa. Não me importa que ela tenha sido cultivada e mimada num bem tratado jardim ou que simplesmente tenha nascido bravia no meio de um campo. Para mim qualquer rosa tem um encanto e um mistério muito especial. Aprendi a amar as rosas com a minha mãe. Ela tinha canteiros enormes de rosas dos mais variados tipos. Enumerava-me as diferentes espécies que confesso nunca decorei. Eu ficava perdido naquele mar de cores e de odores. Tinha muita pena quando minha mãe munida de grossas luvas e tesoura de jardineiro as colhia para com elas enfeitar o altar da nossa capela de familia. Eu achava que devia ser dado ás rosas o direito de florescerem no canteiro e de ali ficarem, sendo beijadas pela brisa calma da primavera. Agora adulto a vida roubou uma boa parte da poesia que o meu coração de criança carregava. Mas ainda me comovo ao olhar uma rosa. Ao fazê-lo lembro as longas e brancas mãos da minha mãe, com as suas unhas rosadas, acariciando-as, fazendo com elas arranjos maravilhosos que deixavam a capela imersa numa beleza especial. Lembro também um canteiro de rosas azuis que me fascinava. Eram de um tom escuro, quase sem aroma, mas eram lindas. Pareciam encerrar todo o mistério da noite. Quando me levantava de manhã e as encontrava orvalhadas, parecia que mil diamantes cintilavam naquelas pétalas macias e sedosas. Ainda hoje sou fascinado por rosas e comparo uma rosa a uma mulher. A mulher tem na pele a suavidade da pétala da rosa, tem no corpo o odor subtil de um perfume inebriante e guarda no coração um mundo de segredos só seus. E tal como a rosa, a mulher tem espinhos, que magoam, mas que esquecemos perante o esplendor de sua beleza. Cada mulher do mundo inteiro é merecedora de receber uma rosa, mas será uma pena se para isso tantas tenham que ser assassinadas. Uma amiga minha disse-me noutro dia uma frase mais ou menos assim: - Cada flor arrancada à terra é uma flor assassinada. E deve ter razão. Então contemplemos as rosas, nos jardins, ou em plena natureza. E deixemos que o nosso coração se encha da ternura e da paz que elas nos conseguem transmitir.

Sem comentários:

imagem