quinta-feira

Amar assim


Por amar assim é que o meu coração se torna dolorido perante o cansaço. Por amar assim tantas vezes esqueci de mim para lembrar apenas quem amava. Por amar assim sempre me entreguei de uma forma tão completa, tão real. Por amar assim senti mil vezes o travo da dor da injuria, da mentira, da insatisfação. Por amar assim perdi tantas horas de paz atirado numa luta sem quartel, sem destino, sem compaixão. Por amar assim, tantas vezes cai e outras tantas me levantei, escondendo as lágrimas num falso sorriso. Por amar assim tantas lágrimas bebi misturadas no copo que continha a bebida com que tentava abafar os meus sentidos, adormecê-los para sofrer menos. Por amar assim entreguei-me sem perguntar, dei sem pedir, ofereci sem cobrar nada de volta. Por amar assim fiz da minha vida um acto de doação. Por amar assim dei o meu coração incondicionalmente, sem medir o risco, sem pensar na dor. Por amar assim doei a minha alma, primeiro que meu corpo, por ser mais intensa essa doação. Por amar assim fiz castelos de areia, cheios de sonhos que as vagas do desespero arrastaram. Por amar assim criei um dia de sol, que as nuvens do desencanto apagaram e transformaram num dia cinzento de chuva. Por amar assim fiz da minha alma o teu refugio, que abandonaste quando a tempestade passou. Por amar assim inventei mil palavras, porque as que já existiam não tinham capacidade para demonstrar a intensidade desse amor. Por amar assim fiz da ausência uma presença viva, de cada sorriso um afago, de cada palavra um carinho. Por amar assim estendi as minhas mãos abertas numa dádiva de fidelidade, cumplicidade e amor. Por amar assim
fiz dos meus olhos o altar onde encerrava a tua imagem repleta na luz da dedicação que lhe prestava. Por te amar assim mil vezes gritei de dor, mil vezes te sorri quando tu me fazias presentes as lágrimas. Por te amar assim cerrei minhas mãos que me devolvias vazias, imaginando-as cheias de pétalas de uma rosa só nossa, fruto de uma primavera só por mim criada. Por amar assim tentei encher o teu coração de estrelas enquanto o meu morria no escuro gelado da ironia, da desconfiança. Por te amar assim dei-te todo o meu tempo, todos os minutos , todos os segundos e ter-te-ia dado a eternidade se me pertencesse. Por te amar assim tentei ver rosas onde só existiam espinhos, tentei sentir o aroma do mar num areal sem vida, tentei ver o vôo gracioso da andorinha, numa ave já morta. Por te amar assim, criei um sonho feito à tua medida, num castelo mágico onde só o amor imperava. Por te amar assim quis dar-te uma felicidade desconhecida, um sabor suave a paz e ternura. Por te amar assim inventei tempo quando não o tinha, inventei alegria quando chorava, paz quando querias guerra, amor quando me davas apenas sofrimento. Por te amar assim inventei o sol em dias de chuva, escondi a dor num sorriso, inventei carinho quando só sentia angustia. Por te amar assim deixei que as minhas lágrimas corressem em silêncio sem que nunca as adivinhasses, enfrentei a tua furia, quando só queria um minuto de paz, de alegria, de aconchego. Por te amar assim iniciei uma viagem ao interior de mim mesmo, tentando descobrir o melhor da minha alma para te ofertar. Por te amar assim morri mil vezes e em todas elas renasci para morrer de novo. Por te amar assim eu dei-te a vida, o sonho, o sorriso, o afecto, a ternura. Por te amar assim esqueci-me de mim mesmo, anulei-me para me ofertar por inteiro. Por te amar assim mil vezes pedi, implorei, supliquei, ordenei, chorei e sofri. Por te amar assim hoje te peço apenas uma coisa: - Paz!!!

Sem comentários:

imagem